15 ideias que J.K. Rowling cortou dos livros que mudariam para sempre a saga Harry Potter

Publicidade Anuncie

Em 1997, com o livro “Harry Potter e a Pedra Filosofal” surgia um bruxinho que conquistaria uma legião de fãs no mundo inteiro.

O que muitos não sabem é que o desfecho de todos os personagens e de toda trama poderia ter sido muito diferente caso J.K. Rowling tivesse mantido algumas coisas em seus livros.

Ao longo dos anos, a escritora inglesa foi revelando ideias cortadas de seus livros. Apenas os fãs mais fervorosos sabem dessas histórias e mesmo a própria Rowling J.K. se esqueceu que divulgou muitas delas em entrevistas seletas e estranhamente específicas ao longo dos anos.

Eis aqui a seleção as 15 coisas mais bizarras que J.K. Rowling cortou dos livros de Harry Potter:

1. Uma outra integrante da família Weasley

Os Weasleys são conhecidos por seus cabelos ruivos e por serem totalmente do bem, mas a família teria uma prima chamada Mafalda que seria uma criança desagradável e com o terrível hábito de escutar a conversa dos outros. Ela estudaria na casa Sonserina e seria tão inteligente quanto Hermione. Ela ouviria conversas entre os filhos dos Comensais da Morte em sua casa e contaria à Harry, Rony e Hermione na tentativa de impressioná-los. Rowling disse em seu site que gostava muito de Mafalda e não queria cortá-la do livro.

2. A irmã de Hermione

Rowling disse à BBC em uma entrevista de 2004 que, desde o início, Hermione teria uma irmã mais nova que apareceu em Hogwarts poucos anos depois. Infelizmente, Rowling esqueceu de colocar essa suposta irmã nos primeiros livros e, quando percebeu seu erro, já era tarde demais para apresentar um personagem tão importante. Além disso, isso deixou tudo mais fácil para Hermione no final – na pior das hipóteses, a irmã provavelmente teria sido uma vítima da Batalha de Hogwarts e, na melhor das hipóteses, teria tido sua memória apagada como seus pais tiveram.

3. A morte de Ron Weasley

Arthur Weasley – o pai afável e pateta do clã Weasley – teria morrido de um ataque de cobras no livro cinco se Rowling não tivesse mudado de ideia no último minuto. No entanto, tal coisa não teria sido uma grande surpresa. Afinal, houve uma morte de personagem principal nesse livro – o padrinho de Harry, Sirius Black. Harry teve que ter uma figura paterna morrer para que ele pudesse perder sua inocência, mas Sirius era muito mais influente para Harry do que o pobre Sr. Weasley.

Já o que não teria tido muito sentido – e teria levado os fãs a um indignado alvoroço – teria sido a morte do amável amigo de Harry, Ron Weasley. Quando pressionada sobre o assunto, Rowling confessou tudo: “Eu planejei desde o início que nenhum deles morreria … [mas] então no meio do caminho, o que acho ter sido um reflexo do fato de que eu não estava muito feliz, comecei a pensar em matar um deles. Embora tenha considerado seriamente a morte de Ron, eu não teria feito isso”.

4. O nome original dos Malfoys

Draco Malfoy tem um dos melhores nomes em toda a série. Há algo muito legal e impressionante sobre isso. “Draco” vem do latim de Draconus, que significa dragão.

“Malfoy” foi tirado do francês “mal foi” que também pode ser “má fé”. Um nome digno para o inimigo da infância de Harry, Draco Malfoy atinge o terror no coração e no paladar. Mas o nome original de Draco não era tão fabuloso. Seu sobrenome foi feito para ser “Spungen”. Draco Spungen ainda não tem o mesmo efeito. É ainda pior do que o “Puckle” original da Hermione. Rowling passou por mais algumas ideias – Draco “Smart”, Draco “Spinks” – até que ela se estabeleceu em “Malfoy”.

5. O homem do sorvete quase foi a chave para as “Relíquias da Morte”

Florean Fortescue, o dono da loja de sorvete que foi morto por Voldemort, seria o único o único a dar ao trio pistas cruciais sobre as Relíquias da Morte. Originalmente ele foi sequestrado e depois salvo pelo trio. No entanto, seu papel foi substituído por Dumbledore, Aberforth, Xenofilus Lovegood, Griphook, Phineas Nigellus Black e a dama cinza.
Se você se esqueceu dele, em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, ele era o proprietário da Florean Forescue no beco diagonal, acima do qual Harry, de 13 anos, fez seu alojamento no verão que ele foi forçado a fugir do bairro da tia e do tio e um misterioso cachorro preto a bordo do Knight Bus.

6. O Professor Vampiro

Vampiros são mencionados em Harry Potter, e, originalmente, o plano de Rowling era um professor vampírico que se chamaria Professor Trocar. Infelizmente, como Rowling explicou em Pottermore: “O mito do vampiro é tão rico e tem sido explorado tantas vezes na literatura e nos filmes, que senti que havia pouco que eu poderia adicionar à tradição”.

7. Dino Thomas teria um papel maior

Dino Thomas jogou Quadribol com Harry e se juntou ao Exército de Dumbledore no quinto livro. Ele era um meio-sangue – o filho de um mago e uma Trouxa – mas seu pai morreu antes que ele pudesse contar a sua mãe de suas habilidades, e assim Dino foi criado acreditando que ele era um Trouxa completo. Sua mãe se casou com outro Trouxa e ele foi criado com vários outros meio-irmãos.

Havia um capítulo cortado de Harry Potter e A Câmera Secreta, que explica tudo isso. Aparentemente, ele deveria ser um personagem muito mais importante. J.K. Rowling tinha notas muito específicas sobre como ele deveria se parecer no filme – seu personagem era extremamente detalhado.

“Meu editor achou que esse capítulo era muito longo e cortou tudo o que achou que era excedente para a história”, explicou. “No que diz respeito ao lançamento da versão cinematográfica de ‘A Pedra Filosofal’, no entanto, eu disse ao diretor, Chris, que Dino era um londrino negro. Na verdade, acho que Chris ficou um pouco surpreso com a quantidade de informações que eu tive nesse personagem periférico “.

8. Sr. Granger resgata Harry

Originalmente, J.K. Rowling planejava muito mais para os pais de Hermione, especificamente seu pai. O pai de Hermione originalmente teria uma grande participação em ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’. Nos primeiros rascunhos, Lily e James Potter moravam em uma ilha e os Grangers moravam perto deles.

No rascunho, os Grangers teriam ouvido os gritos durante a noite em que os Potter morreram. O Sr. Granger teria ido investigar e encontrado o bebê Harry nos destroços da casa.

9. O passado de Nick quase sem cabeça

Quem poderia esquecer o memorável Nick quase sem cabeça, o fantasma de Grifinória que teve a cabeça quase cortada. Em um dos livros, Rowling explicaria como o fantasma teve sua cabeça quase cortada.

10. Mopsy a senhora louca por cachorros

Os amantes dos animais são uma raça comum nos livros de Harry Potter: Hagrid, Mrs. Figg e Hermione Granger todos têm um amor fervoroso por seus amigos peludos. Assim, é uma pena, de fato, que nunca fomos apresentados a Mopsy, a bruxa apaixonada por cães que foi cortada de Harry Potter e o Cálice de Fogo. De acordo com Rowling, Mopsy daria abrigo em Hogsmeade para Sirius Black depois enquanto ele estivesse em sua forma animago.

11. O caldeirão de Helga Hufflepuff

Como qualquer fã de Harry Potter que valeu a pena conhecer, os sete horcruxes de Voldemort foram guardados em itens de suprema importância para seu criador. Originalmente, J.K. Rowling teve a ideia de que o item de Hufflepuff seria um caldeirão, mas isso teria sido significativamente mais difícil de destruir, então o cálice foi fornecido como um substituto.

12. Mopsus, o vidente

Para não confundir com a senhora de cachorro louco Mopsy, Mopsus foi escrito em rascunhos anteriores para ser um mago cego, adepto da adivinhação e prever o futuro. Seu nome veio da mitologia grega e suas habilidades teriam sido tão boas que sua própria existência arruinou o enredo. Mopsus encontrou uma substituição da trama na talentosa, mas incompetente Professora Sybil Trelawney, que apenas deu previsões precisas por acidente e muito raramente. No entanto, todo o desenvolvimento do personagem para Mopsus não foi desperdiçado – Rowling deu muitos de seus traços para Olho Tonto no quarto livro.

13. O filho bruxo de Duda

Duda Dursley é o primo que intimidou e fez a vida de Harry um inferno por anos. J.K. Rowling, sempre malandra, teria dado a Duda um castigo justo por anos por anos de bullying na forma de um filho bruxo através do epílogo do livro final da série. Ele teria passado por isso, se Rowling não tivesse pensado demais sobre a ciência de tudo.
Rowling escreveu em seu site que “um curto período de reflexão me convenceu de que alguns genes de bruxas latente nunca sobreviveriam ao contato com o DNA do tio Valter”.

14. O amigo Theodore Nott de Draco

Draco Malfoy ama mandar nas pessoas ao redor, assim ele recebeu dois lacaios burros, Crab e Goyle. No entanto, esses garotos eram talvez um pouco malvados para Draco. Pode-se imaginar que Draco teria preferido amigos que pudessem estimulá-lo intelectualmente. Parece que Rowling pensou seriamente neste assunto e a principio Draco teria um ‘bestie’ sangue puro chamado Theodore Nott. “Theodore é tão puro quanto ele é e um pouco mais inteligente”, disse Rowling. “Juntos, esses dois discutiriam o regime de Dumbledore em Hogwarts”.

15. A última palavra da série

Desde o início, J.K. Rowling queria que a última palavra de toda a série fosse “cicatriz”. Claro, sabemos que as últimas palavras acabaram sendo “tudo está bem” – o que certamente é mais alegre. Por que ela mudou de ideia? Quando os últimos capítulos se uniram, Rowling percebeu que “queria uma declaração muito concreta que Harry ganhou e que a cicatriz, embora ainda esteja lá, agora é apenas uma cicatriz”, disse ela em uma entrevista. “Eu queria dizer que acabou [e] feito … talvez um pouco disso fosse dizer que não vamos ter a Parte Dois [porque] o trabalho de Harry está pronto”, disse.

Embora ela estivesse inicialmente aberta para escrever mais sobre Harry, ela definitivamente mudou de ideia mais tarde.

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it