Airbnb cancela contas de neo-nazistas que pretendiam se hospedar em Charlottesville para marcha de supremacia branca

Publicidade Anuncie

Assumir discursos de inclusão, contra o preconceito e em nome da diversidade é gesto comum entre startups e empresas como um todo. Na prática, porém – na hora em que tal compromisso ameaça afetar mínima e momentaneamente o bolso das empresas – e comum que tal discurso acabe diluído. Twitter e Facebook constantemente são acusados, por exemplo, de nada fazerem de concreto contra posturas e discursos criminosos em suas plataformas.

Mas não o Airbnb: a plataforma de aluguel de casas vêm comprovando que seu compromisso com a diversidade e contra o preconceito é real, posicionando-se clara e contundentemente contra o regresso que os EUA e o mundo parecem atualmente sugerir.

Depois de veicular uma campanha em pleno Super Bowl contra a política xenofóbica do atual governo americano, e de colaborar pela condenação de uma anfitriã de sua plataforma que justificou o cancelamento de uma reserva com comentários racistas, a empresa agora foi além, estabelecendo-se como claro e forte exemplo: todos que tentaram alugar apartamentos na cidade de Charlottesville, no estado da Virgínia, nos EUA, tiveram seus perfis verificados; quem foi identificado como participante da marcha racista que ocorria na cidade teve seu perfil cancelado.

A marcha racista Unite The Right, ocorrida em Charlottesville, nos EUA

A cidade recebeu o absurdo movimento Unite The Right (Una a direita), que marchou por Charlottesville com tochas nas mãos e gritos ultranacionalistas pela bizarra supremacia branca, contra negros, imigrantes, gays e judeus. Várias pessoas ficaram feridas e uma pessoa morreu quando um automóvel avançou contra manifestantes contrários ao movimento.

A posição do Airbnb foi clara: a plataforma não seria usada para que supremacistas brancos espalhassem preconceito e violência.

“Não à supremacia branca”

Trata-se do estabelecimento de um novo paradigma no que diz respeito ao posicionamento de uma empresa em relação ao racismo e ao preconceito. Que outras plataformas recebam o exemplo do Airbnb com clareza: em certos casos, no lugar de justificativas escorregadias e posicionamentos evasivos (como foi o bizarro e frágil posicionamento até mesmo do presidente Donald Trump), a colocação clara e evidente das bonitas palavras das https://www.airbnb.pt/campanhas em prática é fundamental, tendo assim o compromisso ético à frente de tudo – inclusive do lucro.

“Sem espaço para racistas”

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it