Artista constrói incrível réplica do Partenon com 100 mil livros proibidos ao redor do mundo

O Partenon é um dos mais conhecidos monumentos da história humana, talvez o maior ícone da Grécia Antiga. O templo, dedicado à deusa Atena, também simboliza a democracia criada pelos gregos. Uma artista argentina construiu, na Alemanha, um Partenon feito de livros proibidos, como símbolo da liberdade de expressão.

O local escolhido por Marta Minujín foi a praça Friedrichsplatz, em Kassel, na Alemanha. Foi lá que, em 1933, membros do Partido Nazista queimaram mais de dois mil livros que eles consideravam ir contra o “espírito alemão”. A grande maioria deles tinha sido escrito por comunistas ou judeus.

Para escolher as obras que seriam utilizadas, Marta contou com a ajuda de pesquisadores da Universidade de Kassel, que organiza a exposição de arte Documenta. Eles listaram livros que foram banidos ao redor do mundo, incluindo O Pequeno Príncipe (Argentina) e Alice no País das Maravilhas (China).

Uma lista de 170 títulos foi publicada na internet, e pessoas de vários países do mundo doaram exemplares para a construção do Partenon. Livros pornográficos ou o Mein Kampf não foram considerados. Ao final da exposição, que deve ficar aberta até setembro, o público poderá levar as obras para casa.

Foi o mesmo que aconteceu em 1983, quando Marta Minujín realizou um trabalho muito parecido em seu país natal, a Argentina, para celebrar o fim do governo militar, que havia proibido livros de autores como Sigmund Freud, Karl Marx, Jean-Paul Sartre, Ernest Hemingway, Jorge Luis Borges e Michel Foucault.

 

Todas as fotos: Reprodução

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it