O fim trágico do primeiro jogador de futebol a se declarar homossexual na Inglaterra

Em 1981, o time de futebol inglês Nottingham Forest, então bi-campeão da Copa dos Campeões da Europa (atual Liga dos Campeões), contratou o atacante Justin Fashanu por 1 milhão de libras. Foi o primeiro jogador negro a ser envolvido em uma transferência desse valor na história. Mas ele teria dificuldades para seguir crescendo na carreira, muito por causa de sua orientação sexual.

Justin tinha se destacado jogando pelo Norwich City, mas nunca conseguiu repetir o desempenho no Forest. Seu comportamento fora de campo influenciou: o hábito de frequentar bares e boates gays incomodava os companheiros de clube, o que o impediu de se sentir à vontade no elenco.

John Fashanu, seu irmão um ano mais novo, também foi jogador profissional, mas não o apoiou. Pelo contrário. Muito unidos na infância, os dois se distanciaram após a orientação sexual de Justin ficar mais clara. John disse que chegou a oferecer dinheiro para que o irmão não se declarasse homossexual para o público.

A história de como ele saiu do armário também é polêmica. A revelação foi feita ao tabloide The Sun em 1990 e, segundo Nick Baker, biógrafo de Justin, envolveu chantagem: o jornal ofereceu 20 mil libras para que ele se revelasse, ameaçando publicar a matéria sem seu consentimento caso ele não aceitasse.

Os comentários de companheiros de time e adversários e os cânticos ofensivos de torcidas se tornaram mais frequentes, até que Justin desistiu de tentar suportá-los. Ele chegou a jogar nos fracos campeonatos do Canadá e dos Estados Unidos, onde se aposentou e começou a seguir carreira como técnico.

Vivendo em Maryland, ele foi acusado por um rapaz de 17 anos de agressão sexual em 1997. Temendo não receber um julgamento justo, voltou para a Inglaterra enquanto as investigações prosseguiam. Justin decidiu colocar fim na própria vida aos 37 anos, após visitar uma sauna gay em Londres.

Em seu bilhete de despedida, afirmou que era inocente e que a relação com o jovem tinha sido consensual. “Me dei conta que fui condenado. Não quero mais ser uma vergonha para meus amigos e minha família. Espero que Jesus me dê boas vindas e que eu finalmente encontre a paz”, escreveu antes de se enforcar em uma garagem.

Até hoje ele é o único jogador de futebol das grandes ligas europeias a se assumir gay durante a carreira – o alemão Thomas Hitzlsperger chegou a sair do armário, mas só depois de se aposentar.

Todas as fotos: Reprodução

[com informações via]

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it