Campanhas feministas do coletivo AzMina são premiadas em Cannes, o maior festival de criatividade do mundo

Não é novidade que Cannes, o maior festival de criatividade do mundo que acontece todo ano na cidade de mesmo nome na França, volta e meia premia peças e campanhas com altos teores de machismo.

Quem não se lembra da campanha da Aspirina que ganhou um leão de bronze no ano passado, que inclusive foi criada por uma agência brasileira, e que chegou até mesmo a ser cancelada pela Bayer após a polêmica gerada?

Dito isto, quando uma campanha feminista é destaque na premiação, temos motivos em dobro para comemorar. Este ano, duas campanhas em especial, do coletivo AzMina em parceria com as agências JWT e New 360, foram premiadas em Cannes.

A primeira delas foi a #MaisQue70, que questionava a diferença salarial entre os gêneros. Durante todo o mês de março, diversas cantoras como Tiê, Valesca Popozuda e Daniela Mercury, doaram 30% das suas músicas para alertar sobre o fato das mulheres receberem, em média, 70% do salário dos homens, pelo mesmo trabalho oferecido.

https://www.youtube.com/watch?v=8F0Rsis7n5Y

Já a segunda campanha foi em parceria com o clube de futebol Cruzeiro, onde os números dos jogadores utilizados nas camisas foram aproveitados para divulgar diversos dados, como na camisa 10, onde a frase “3 em cada 10 mulheres já foram beijadas a força” foi estampada.

https://www.youtube.com/watch?v=RfNszg57DKU

A campanha #MaisQue70 levou um Leão de Prata na categoria Entretenimento e Música, e a campanha das camisas de futebol um Leão de Bronze na categoria Media.

Todas as imagens © Divulgação

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it