Os sete capítulos perdidos de ‘Cem Anos de Solidão’

Considerado um dos livros mais importantes da literatura latino-americana e também a obra introdutória do realismo mágico, “Cem Anos de Solidão” não foi uma obra motivada puramente pela inspiração de seu autor, Gabriel García Márquez. O lançamento do romance completa hoje 50 anos e trouxe à tona parte da técnica empregada pelo escritor para criar as histórias da família Buendía e do povoado de Macondo.

Uma das curiosidades sobre a qual pouco se fala é o fato de que García Márquez teria publicado sete capítulos do livro antes mesmo de finalizar a obra. De acordo com uma análise escrita por Álvaro Santana-Acuña para o jornal El País, o autor estaria em dúvidas sobre a qualidade da obra e, portanto, decidiu publicar alguns capítulos avulsos em revistas de literatura de diversos países para observar a reação do público.

Apesar de serem um registro importante do processo criativo do escritor, não há sequer cópias dos trechos publicados no arquivo pessoal de Gabo, no Harry Ransom Center. Isso acontece porque, a princípio, acreditava-se que os capítulos eram idênticos aos publicados no livro definitivo – o que recentemente descobriu-se que não era verdade.

cem1

Foto: Reprodução El Espectador / Foto destaque via

O primeiro capítulo do livro foi publicado em 1º de maio de 1966 (mais de um ano antes do lançamento do romance) no El Espectador, de Bogotá. Em agosto do mesmo ano foi publicado um novo capítulo, desta vez na revista Mundo Nuevo, de Paris. Outros trechos foram publicados pelas revistas Amaru, do Peru; Eco, da Colômbia; Diálogos, do México; Primera Plana, da Argentina; e novamente na francesa Mundo Nuevo.

Enquanto o tronco da obra já estava delineado quando os capítulos foram lançados, o escritor utilizou as respostas do público para realizar alterações no se estilo e na escolha das palavras empregadas durante o texto. Uma das mudanças mais marcantes, porém, é justamente a localização de Macondo, descrita no capítulo publicado pelo El Espectador como fazendo fronteira “a Oeste com as dunas do rio La Magdalena”, na Colômbia. Na obra definitiva, no entanto, umas das principais características do povoado isolado é o fato de que sua localização era desconhecida – permitindo que as histórias contadas no livro pudessem ser imaginadas em praticamente qualquer lugar da América Latina.

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it