Após perder casa em terremoto, família muda de vida e passa a viver na estrada em um ônibus do anos 1980

publicidade

São diversos os motivos pelos quais muitas pessoas atualmente tem abandonado os conformes da vida contemporânea e optado por transformarem ônibus em suas casas: o custo inferior, a possibilidade de se mudar facilmente de uma cidade para outra, além de diminuir radicalmente o impacto sobre o meio ambiente. Para o casal de neozelandeses Andrew e Amber, no entanto, o motivo para que deixassem a vida em seu apartamento e mudassem para um ônibus adaptado foi bem mais urgente e inevitável.

Onibus2

Em fevereiro de 2011, um terremoto abalou a cidade de Christchurch, na Nova Zelândia – e Andrew e Amber estavam no 25º andar do prédio em que viviam. Tiveram de fugir para o prédio ao lado, depois de confirmarem que os abalos em seu edifício haviam condenado a construção. 185 pessoas morreram nesse terremoto, e o trauma sobre a nação – e, é claro, sobre o casal – foi intenso. Tiveram dois filhos e, diante das duas crianças, tiveram certeza de que não deveriam perder seu tempo com coisas desimportantes.

Onibus4

Onibus5

Onibus6

“Nós então decidimos sair. Sair da vida prescrita, nós queremos ser livres. Livres para gastar todas as horas que nos restam juntos, assistindo nossos filhos crescerem, vivenciando experiências incríveis e vivendo de verdade”, eles disseram. Foi assim que adaptaram e passaram a viver em um ônibus Volvo 1987, que já havia sido meio de transporte escolar e um ônibus municipal.

 Onibus7

Alimentado por energia solar, carregando uma caixa d’água de 250 litros, reutilizando água da chuva, o ônibus é barato e pouco poluente. A família se mudou no início desse ano, e o plano é de viajar pela Nova Zelândia se dedicando a trabalhos que possam ser realizados à distância. “A beleza de reduzir seus gastos é que você pode reduzir também seus ganhos”, disse Andrew, apontando o quanto o dinheiro não traz felicidade – e nem está na lista das coisas que realmente importam.

 Onibus9

Onibus1

© fotos: divulgação

Via Hypeness

0 I like it
0 I don't like it